Jogadores Amadores Superam Profissionais em Campeonato

No esporte, ter patrocínio é quase uma garantia para se conseguir bons resultados, permitindo focar-se apenas aos treinos e às competições. No ciberesporte, os atletas patrocinados, com salários, equipamentos de ponta e até auxílio psicológico também têm essa garantia. Entretanto, ela não existiu na etapa nacional do World Cyber Games (WCG), competição de videogames que aconteceu neste sábado (26) e domingo (27) em São Paulo. Nenhum dos nove integrantes da seleção que disputará o mundial na China possui patrocínio.
O torneio teve a participação de 172 gamers que disputaram o título de melhor do Brasil nas categorias “Counter-strike” (tiro), “Fifa 09” (futebol), “Trackmania nations” (corrida), “Carom 3D” (sinuca) e “Guitar hero” (musical). A delegação é composta pelo vencedor de cada jogo e pela equipe de “Counter-strike”, que possui cinco jogadores.

Foto: Gustavo Petró/G1
  O vencedor da categoria “Carom 3D” não se considera um sortudo, mas ele mal tinha um computador para treinar para o WCG. O capixaba Jean Michel Monico, de 22 anos, teve que reduzir a qualidade gráfica do jogo para que ele conseguisse, no mínimo, dar uma tacada com alguma precisão no jogo de sinuca. “Treinar on-line, mesmo sendo algo muito importante, era um grande desafio, pois era quase impossível ver as bolas se movendo na tela”, lamenta. “Se eu tivesse um bom computador ou um patrocínio, meu resultado seria melhor”.

O cronograma de treinos do estudante de engenharia civil para a final mundial, que acontecerá nos dias 11 e 15 de novembro na cidade de Chegdu, na China, depende de uma máquina mais potente. Ele, no entanto, não se importa em não ter patrocínio. “Certamente, terei um bom resultado no mundial independentemente do computador que eu tiver, mas meu foco agora será conseguir PC melhor para poder treinar.”

Tanto o vencedor da categoria “Fifa 09” quanto os integrantes da equipe vitoriosa da categoria “Counter-strike” já tiveram patrocínio. Hoje, investem sozinhos em suas carreiras como jogadores profissionais de videogame, custeando equipamentos e viagens para competições.

É o caso do jogador do simulador de futebol André Buffo. Com apenas 18 anos, ele já é experiente no WCG e em outras competições de games, tendo participado de torneios desde 2006. Até maio deste ano, ganhava salário e uma empresa pagava por suas viagens. “O fato de ter patrocínio deixa o jogador mais nervoso. Há uma cobrança, uma obrigação para ganhar”, afirma. “Sem patrocínio, estou muito mais calmo para jogar e uso a experiência ao meu favor.
Mas o auxílio financeiro faz com que [o gamer profissional] possa treinar mais e com tranquilidade, sem precisar passar o dia no trabalho”.

No exterior, os ciberatletas recebem dinheiro suficiente dos seus patrocinadores para viajar pelo mundo e participar de diversos campeonatos. Sem precisar trabalhar, eles treinam entre 10 e 12 horas por dia, além de ter computadores de última geração.

A equipe vencedora na categoria “Counter-strike”, a “Fire gamers”, sentiu na pele a diferença de não ter patrocínio no WCG. Sem apoio financeiro, eles enfrentaram a maior equipe do país que compete no jogo de tiro, a “mibr”. Os cinco integrantes deste time viajam mensalmente para a Suécia para treinar – tudo bancado por uma empresa. Com isso, a vitória da equipe teve um sabor ainda mais especial. “Como eles [‘mibr’] são patrocinados, a equipe tem uma agenda lotada de competições pelo mundo”, conta Renato Nakano, integrante do “Fire gamers”. “Desse modo, tanto faz ganhar a vaga para o mundial, pois já há viagens garantidas. Para nós, o mundial na China é a última competição do ano”.

Nakano admite que o incentivo financeiro é importante e que as empresas brasileiras precisam investir no ciberesporte. “Com essa vitória, correremos atrás de um patrocinador. Treinar no Brasil é muito ruim, a qualidade dos competidores é baixa. Para conseguir bons resultados a nível mundial, precisamos treinar no exterior”, afirma.
Centro de treinamento
Como a maioria dos jogadores classificados não conta com patrocínio e nunca foi para a final mundial do WCG, a empresa organizadora do evento pensa em criar um “centro de treinamento gamer”. O objetivo é permitir que a equipe brasileira tenha todas as condições necessárias e computadores de ponta para trazer medalhas da China.

“Durante o mês de outubro, criaremos um cronograma e haverá equipamentos para os competidores treinarem em uma de nossas lojas”, afirma Rodrigo Moretz, gerente de marketing da empresa organizadora do World Cyber Games. “Desse modo, os jogadores chegarão preparados na China e poderão ter desvantagem apenas no lado emocional e não no lado técnico”.

Outro incentivo é que, além do prêmio em dinheiro no caso de uma vitória no mundial, os brasileiros que trouxerem medalhas ganharão uma TV. “Por isso, outubro será um mês de concentração”, brinca Moretz.


Foto: Gustavo Petró/G1

Suposto anúncio reforça rumor de redução de preço do Wii

Foto: Reprodução  O vazamento de um anúncio da loja Toys R Us nesta segunda-feira (14) está reforçando os rumores de que a Nintendo deve reduzir o preço do seu Wii, assim como fizeram as rivais Sony,com o PlayStation3 e a Microsoft,com o Xbox 360.

O site especializado "Kotaku" publicou a imagem do suposto anúncio, que vende o console da Nintendo por US$ 199,99, em vez dos US$ 249 atuais. O valor reduzido incluiria ainda, segundo a reportagem, o game "Wii sports".

Ainda de acordo com o anúncio, o novo valor será praticado no final de setembro. Com isso, a reportagem conclui que um anúncio oficial da Nintendo deverá ser feito dentro de no máximo duas semanas.

Na semana passada, outro suposto anúncio - dessa vez da rede Walmart também indicava a queda no preço do Wii.

Procurada pela Kotaku, a companhia não quis comentar o suposto vazamento. "A Nintendo não se pronuncia sobre rumores e especulações".

Video que mostra o teste do mais novo console da Nintendo

Como todos sabemos,o DSi é o mais novo videogame da Nintendo e por isso temos certeza que ele possui muitas utilidades.Aqui neste vídeo,há uma demonstracão de sua câmera,de seus jogos com o uso do sensor de movimento,de sua capacidade de armazenar sons...tá,chega de falar e vamos ao que interessa.O Nintendo DSi tem uma capacidade imensa de captar os sensores de movimento através de suas cameras integradas e também com os seus auto-falantes que o permitem ouvir suas gravacões e músicas no formato AAC.O mais incrível é o jogo Wario em que você pega os objetos apenas monitorando a mão em direcão ao objeto desejado.
  As fotos tiradas no DSi podem ser editadas pelo DSi photo e depois podem ser enviadas a sua conta   no Facebook.                                                                             
  Eu confesso,que desta vez,a Nintendo se superou de vez desde o lancamento do Game & Watch.


 

Jogo do ano : Scribblenauts

Imagine um objeto. Agora, escreva o nome dele na tela do Nintendo DS. Como mágica, ele tomará forma e poderá ser utilizado do modo que o jogador quiser no game “Scribblenauts”. O objetivo é resolver quebra-cabeças com qualquer “coisa” que vier à mente para que o personagem Maxwell colete estrelas a cada fase. O game é totalmente em português.

Para que o jogador entenda o funcionamento que um título tão singular, a 5th Cell, a produtora do game, fez com que a tela inicial de “Scribblenauts” fosse um verdadeiro laboratório para testar o limite da criatividade. Ali, é possível escrever (por meio de um teclado virtual ou de um sistema de reconhecimento de escrita) o nome dos objetos. Escreva “escada” e o objeto em questão aparecerá, permitindo que o personagem interaja com ele. Escreva “urso” e o animal surgirá na tela.

As “coisas” que você invocar para dentro do game têm o mesmo comportamento dos objetos na vida real. Por exemplo: escreva “carro” e o veículo aparecerá dentro do jogo. Maxwell poderá usá-lo para atravessar uma fase rapidamente. Invoque um gato e um cachorro e eles ficarão brigando até cansar. Um inseticida matará moscas e abelhas. Com tantas possibilidades, é fácil perder o foco no objetivo principal de “Scribblenauts”.

Nas mais de cem fases do game, o jogador deve fazer com que Maxwell colete “Starites”, pequenas estrelas que estão em determinados locais do cenário ou que são dadas como prêmio por cumprir objetivos. No início de toda a fase, há uma explicação do que deve ser feito para pegar o item, cabendo ao jogador utilizar as inúmeras possibilidades para resolver o problema.

Um exemplo é na fase que há uma estrela no topo de uma árvore. É possível escrever a palavra "escada" para que o objeto apareça, colocá-lo ao lado dela para que Maxwell suba e colete a “Starite”. Um gamer mais audacioso pode invocar um helicóptero e usá-lo para levar o personagem até o topo da árvore. Caso desejar pode, ainda, usar uma motosserra para cortar a árvore e fazer a estrela cair. O banco de dados de “Scribblenauts” é gigantesco.

O game ainda dá pontos extras para quem não repetir objetos entre as missões, para quem descobrir palavras novas e para quem não usar armas, prezando por soluções “pacíficas – o título permite matar animais, por exemplo. Utilizar menos objetos e cumprir objetivos rapidamente garantem ainda mais pontos, que podem ser trocados por músicas e avatares na lojinha do game.


Escrever na tela do Nintendo DS é muito simples. Controlar o personagem pelos cenários não é. Para movimentar Maxwell, o jogador deve tocar no local desejado na tela. Geralmente, isso faz com que ele interaja com o objeto, pegando-o ou lançando-o contra uma pessoa, por exemplo. O direcional do portátil da Nintendo é utilizado exclusivamente para movimentar a câmera e visualizar o cenário.

O comando também não é preciso, fazendo com que o jogador tenha que repetir a fase por cair em um poço de lava, por exemplo. Isso frustra, pois exige repetir a fase por um erro que não foi provocado pelo jogador.

Outro problema é quando existe mais de um objeto com o mesmo nome e o jogador não pode ver como é o objeto antes de “importá-lo” para a fase. Assim, em caso de erro em uma missão que permite invocar apenas um item, o jogador terá que, novamente, recomeçar a fase.

É difícil encontrar jogos como “Scribblenauts” que dão tanta liberdade ao jogador. A criatividade é testada para resolver os quebra-cabeças e o vasto vocabulário em português do título, além de exercitar a mente do jogador, permite repetir o game diversas vezes de forma sempre diferente.

Wii Internet de Graça!!!


Hoje,por acaso,quando liguei meu console Wii vi que no Wii Message Board havia uma mensagem.Quando abri esta tal mesnsagem,vi uma coisa que me deixou aterrorizada:veio um aviso dizendo que agora o canal de Internet do Wii era de graça no Wii Shop Channel!
Entrei no Wii Shop Channel como a mensagem tinha mandado e vi que realmente a Internet tinha passado a ser de graça.Foi uma surpresa e tanto,mas valeu a pena.

A Internet do Wii permite que você asssista vídeos no You Tube como se estivesse em um computador,te permite jogar jogos,e se os jogos forem ´´de andar``você pode conectar o teclado de um computador para jogá-los perfeitamente.A Internet do Wii possui Adobe Flash Player para assistir vídeos e jogar jogos.Acho que a partir de agora,a Internet do Nintendo DSi vai ser esquecida para sempre,por todos!Wahhahahaha!!!

Compramos finalmente o nosso tão desejado jogo!

Nesta sexta-feira,comprei finalmente o meu jogo Rhythm Heaven.Tirei algumas fotos que podem ver no final da postagem.Bem,em um dia o jogo foi completamente zerado por mim,mas depois eu mexi em algum lugar que fez o jogo comecar tudo novamente,e agora estou no tal de "Love Lizards"ou coisa parecida.O jogo possui 50 mini games para testar o ritimo de qualquer um.Comprei-o porque meu professor de música vive dizendo que eu tenho piorado no meu ritmo e que é para eu treiná-lo jogando esse jogo.(brincadeirinha).O motivo real mesmo foi porque possui minigames super viciante,isso vocês podem ter certeza.